terça-feira, 20 de setembro de 2011



Em Coimbra, por esta altura, o negócio mais rentável é o arrendamento de casas e quartos a estudantes. Eu diria que é mais um roubo descarado por parte dos senhorios, geralmente pessoas mais velhas, do que um negócio propriamente dito. A oferta é muita, no entanto, na maioria dos casos,duas coisas estão garantidas: fracas condições e rendas que são um abuso. Porém, se a casa até é mais ou menos e tem uma renda acessível, então é porque fica no "cu do judas". O "cu do judas" é, precisamente, aquele sítio onde não há uma farmácia, café ou supermercado perto, o autocarro passa de hora a hora e só até às 20h, a partir daí só mesmo de táxi. Eu já vi de tudo, e quando digo tudo, é mesmo tudo... desde roupeiros no corredor porque no quarto só cabe a secretária e a cama; frigoríficos a meio das escadas porque não há espaço na cozinha; casas com um cheiro a mofo irrespirável, paredes a cair aos bocados; fogões onde não é possivel cozinhar quando chove porque cai água pela chaminé, and so on! E não, não adianta pedir para fazerem obras ou pequenos arranjos, o que interessa mesmo é a renda no final do mês, que vêm buscar no seu Mercedes ou BMW. Eu só gostava de saber, é porque é que não há ninguém que tente colocar fim a isto, e que obrigue os senhorios a melhorarem as condições das casas para as poderem arrendarem, que façam uma mediação entre o preço das rendas e as condições oferecidas, entre outras coisas. Gente da AAC aqui fica a dica. Eu sei que não é isto que vos dá dinheiro para os carros e gasolina, nem para os bilhetes que oferecem a todos os amigos na queima e latada, mas às vezes era bom mostrarem algum trabalho, do bom!


6 comentários:

kishikiari disse...

todas as minhas amigas que vieram estudar pa cbr por acaso tiveram sorte com as casas que viram e ficaram =)

Miguel disse...

E queixa, fizeste?

Pois...

a do lado! disse...

Miguel:

Não fiz queixa porque nenhuma dessas situações foi comigo. E sim, eu sei que podia fazer queixa na mesma... mas acho que há instituições que deviam ter um papel mais activo nessas coisas que eu mesma, porque lhes são dados meios e contactos para tal.

Miguel disse...

Sem queixa não há processos... Às vezes nem com queixa, deves saber isso, não é?

As pessoas, em vez de passarem o tempo a queixarem-se para o ar, deviam fazer queixa a quem de direito pois só assim as coisas podem avançar no sentido da resolução.

Bem, é o que eu acho!

a do lado! disse...

A instituição a que me refiro no post tem conhecimento da situação dos estudantes, e mais, tem muito mais recursos e conhecimentos no sentido de proporcionar uma mudança do que eu sozinha, como é lógico!

Para além de me queixar, posso votar quando há oportunidade para isso, que é o que faço. Voto em alguém que ache capaz de me representar a mim e ao resto dos estudantes... é para isso que eles são eleitos e é por se dedicarem a isso que têm regalias que os restantes estudantes não têm.

Miguel disse...

Devemos estar a falar de coisas diferentes!

Pelo que percebo falas de coisas e instituições académicas ou estudantis.
Eu não falo em nada disso.
Falo em fazerem queixa à Câmara, às Finanças e instituições dessas.
Para se alugar uma casa é preciso determinadas condições. Se não há, e pelo que escreves, e pelo que eu também sei, em alguns casos não há, então não deviam alugar...

De qualquer maneira, se as pessoas aceitam, então sujeitam-se e não têm nada que refilar... (têm um bocadinho mas pronto... percebes o que quero dizer...)

Seguidores